Outros temas

Passo a Passo para emitir o extrato previdenciário (CNIS) pelo Portal do INSS

By 28 de setembro de 2019 No Comments

O extrato previdenciário também conhecido como CNIS é principal documento para quem deseja calcular o seu tempo de contribuição ou simular a sua aposentadoria. com base no CNIS que o Instituto Nacional do Seguro Social – INSS calcula o tempo de contribuição e o valor da aposentadoria dos segurados.

como emitir CNIS no portal

O extrato previdenciário, mais conhecido pelo sigla CNIS, é o principal documento pra quem deseja se aposentar ou apenas saber como está a situação perante o INSS em reação ao seu tempo de contribuição e registro dos vínculos de trabalho.

Nele você encontra todas as contribuições que foram feitas ao longo de toda a sua vida laborativa e o registro de todas as empresas que trabalhou.

Com a Reforma da Previdência virou quase que uma obrigação o segurado saber como emitir o CNIS para saber melhor sobre as suas contribuições.

É principalmente com base no CNIS que o Instituto Nacional do Seguro Social – INSS calcula o tempo de contribuição e o valor da aposentadoria dos segurados, por isso, os dados registrados precisam estar corretos e sem pendências. O segurado tem que ficar atento ao que consta no seu CNIS, pois no caso de divergência ou pendência é necessário regularizar o quanto antes para evitar problemas na hora de se aposentar.

Neste texto você vai entender o que é o CNIS e aprender a emitir o seu através do portal do Meu INSS. Vamos te mostrar como criar sua senha no portal e extrair seu CNIS de forma rápida e segura.

Além disso, ao final você verá dicas para analisar seu CNIS de forma correta e identificar possíveis falhas ou pendências para serem resolvidas.

 

1. O que é o Extrato Previdenciário (CNIS)?

A começar pela sigla, CNIS significa Cadastro Nacional de Informações Previdenciárias.

É basicamente o extrato previdenciário que todo segurado tem onde deve constar todas as informações da vida laboral e contributiva, ou seja, nesse extrato deve conter todos os vínculos empregatícios, contribuições e valores referentes aos vínculos, bem como as contribuições vertidas de forma autônoma pelo próprio segurado como contribuinte individual ou facultativo.

Para fins de aposentadoria ou recebimento da maioria dos benefício pelo INSS, o CNIS é o principal documento, portanto qualquer pendência pode afetar o pedido do benefício pretendido.

O CNIS pode ser baixado diretamente no portal do meu INSS e para acessar o portal basta criar sua senha, conforme explicação abaixo.

 

2. Como se cadastrar no Portal do meu INSS

O portal do Meu INSS é um sistema web desenvolvido pelo Governo Federal com o objetivo de facilitar a prestação dos serviços previdenciários ao trabalhadores. 

Através desse portal o segurado pode acessar as principais informações previdenciárias e também fazer requerimentos de benefícios. 

O segurado pode fazer cadastro de sua própria casa pela internet em apenas 04 passos. Deve também ter em mãos os seguintes documentos:

  • Identidade e CPF
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS  

Para criar a sua conta siga os passos a seguir:

 

Passo 01: Acessar o Portal

 

Primeiro acesse o site www.meu.inss.gov.br . Na tela inicial mostra diversas opções de serviços, mas alguns deles só podem ser disponibilizados após login e senha, como a emissão do CNIS por exemplo, portanto, para acessá-los clique no botão “entrar” ao lado direito superior da página e depois clique em “login”.

Em seguida, clique em “criar conta” (Para quem já possui o cadastro, a partir de então já pode inserir a senha e prosseguir.).

 

Passo 02 – Insira os Dados pessoais

 

É necessário preencher com o CPF, nome completo, número de celular e e-mail.

Se o usuário já possuir cadastro não será possível avançar, pois o sistema sinalizará que já existe uma conta. Caso isso ocorra, é necessário voltar para a parte de login e inserir o CPF e a senha ou clicar em “esqueci minha senha”, se for o caso, e seguir as orientações do portal para redefinir a senha.

 

Passo 03 – Validando os dados e Habilitando o Cadastro

 

A validação dos dados ocorre com perguntas acerca de dados pessoais e sobre a vida de trabalho do segurado. Para respondê-las é importante ter em mãos documentos que contenham informações sobre seu histórico profissional, comprovantes de contribuição à Previdência Social, benefícios que possa ter recebido, como por exemplo, Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), carnês, Guia da Previdência Social (GPS).

Todas as perguntas devem ser respondidas corretamente, caso contrário a senha não será gerada e o segurado só poderá tentar novamente após 24 horas.

 

Passo 04 –  Cadastrando a sua senha de acesso 

 

Por fim, basta colocar uma senha de sua preferência para concluir o seu cadastro.

Pronto! Agora você já tem seu cadastro e pode emitir o seu extrato previdenciário e ter outros serviços online à disposição.

3. Emitindo o Extrato Previdenciário (CNIS)

 

Após criar seu cadastro, você poderá acessar o portal a qualquer momento com o CPF e senha.

Ao acessar, você perceberá que o portal te oferece opções de agendamentos, consulta de benefícios, requerimentos, entre outros. 

Para emitir o seu CNIS, basta clicar na opção “Extrato Previdenciário (CNIS)” que aparece do lado esquerdo da página:

Em seguida você verá suas relações previdenciárias da seguinte forma:

Agora é só clicar em “imprimir” e o seu CNIS será baixado automaticamente! 

 

 

Além de emitir o CNIS, através do portal o segurado pode fazer agendamentos, requerer benefícios e realizar consultas. Através do portal o trabalhador pode acompanhar toda a sua história de trabalho.

 

4. Cuidados ao analisar o Extrato Previdenciário (CNIS)

 

Para evitar surpresas desagradáveis na hora da aposentadoria ou no requerimento outro benefício previdenciário, é importante que o segurado confira corretamente as informações que constam no seu CNIS.

Nesse intuito, veja três dicas que vão te ajudar a identificar possíveis irregularidades.

 

Dica 1: Fique atento aos indicadores

 

Todo CNIS tem um campo específico à direito reservado para os indicadores.

Os indicadores tem o objetivo de informar peculiaridades dos períodos de contribuição. Quando existem indicadores significa que naquele determinado vínculo ou contribuição há uma pendência ou simplesmente há algo para ser observado no momento do cálculo do tempo e do valor do benefício.

No CNIS os indicadores aparecem em siglas, mas ao final do extrato existe uma lista que traz o significado de cada uma das siglas apontadas.

Alguns dos indicadores mais recorrentes são os seguintes:

  • PEXT – Pendência de vínculo extemporâneo não tratado
  • PREC-MENOR-MIN – Recolhimento realizado é inferior ao valor mínimo
  • PRECFACULTCONC – Recolhimento ou período atividade de contribuinte facultativo concomitante com outro TFV
  • AVRC-DEF – Acerto de vínculo extemporâneo deferido

 

Dica 2: Confira se no CNIS consta todas as empresas que você trabalhou

 

Outro ponto importante é verificar se todos os períodos trabalhados e contribuidos estão registrados no CNIS. Para tanto, faça uma uma comparação entre os dados da sua CTPS, os carnês, as GPS e confronte com os vínculos que estão CNIS.

É muito comum o segurado ter vínculos registrados na Carteira de Trabalho, mas não no CNIS. Outro fato que ocorre frequentemente é a data fim não constar no CNIS.

Isso acontece porque os empregadores são responsáveis por enviar os dados e contribuições do vínculo empregatício para a previdência social e quando há uma falha nessa comunicação consequentemente o CNIS fica incompleto.

 


O segurado pode conferir se os dados do CNIS estão corretos confrontando todas as informações do extrato previdenciário com a carteira de trabalho por exemplo


 

Para sanar omissões como estas basta comprovar os dados do contrato de trabalho, o que é feito através da própria CTPS. Outros documentos também são aptos para provar o vínculo empregatício, cuja lista exemplificativa se encontra no artigo 10, inciso I da Instrução Normativa 77/2015 do INSS.

 

Dica 3: Confira se os valores das contribuições estão corretos

 

Verifique se os valores de remuneração e contribuição condizem com o recolhido em cada época. Para tanto, as informações salariais na carteira de trabalho, bem como as GPS (se houver) servem para a conferência.

Além disso, algumas contribuições podem ter sido efetuadas com base em remuneração menor do que o salário mínimo, sobre as quais serão necessárias a complementação quando a contribuição foi feita na modalidade de contribuinte individual ou facultativo.

Estas dicas vão te ajudar numa primeira análise do seu CNIS!

Para uma análise mais aprofundada e específica é importante consultar seu advogado especialista em direito previdenciário. 

Leave a Reply